segunda-feira, 1 de maio de 2017




O momento Senna mais marcante

Há 23 anos, aquele que é considerado um dos maiores gênios da pista nos deixava depois de um acidente trágico. Mas antes de partir, Ayrton Senna protagonizou momentos memoráveis que ainda permanecem vivos no inconsciente do povo brasileiro - e do resto do mundo. Separamos seis oportunidades em que o tricampeão nos encheu de orgulho. Agora cabe a você decidiu o mais marcante.

Era o ano de estreia na F1. Mesmo inexperiente e na fraca Toleman, o brasileiro provou que a chuva era sua especialidade no GP de Mônaco. Largando em 13º, com chuva torrencial, Senna começou a dar o seu usual show e escalar o pelotão. Estava prestes a ultrapassar Alain Prost, o líder da prova, quando a corrida foi interrompida. Terminou em segundo e foi para o pódio emburrado com a decisão dos fiscais de prova.
2 - Estoril 1985
Após a brilhante temporada de estreia, Senna trocou a Toleman pela Lotus para 1985. Com problemas elétricos, abandonou a 1ª corrida do ano, no Brasil. Apesar de anotar a pole na corrida seguinte, em Portugal, viveu um drama a poucas horas da largada. Durante o warm up, o motor Renault explodiu, levando junto o câmbio e danificando parte da suspensão. Senna saiu do carro desolado, consciente de que aquilo poderia arruinar seus planos para a corrida. Foi então que a sorte começou a virar para o brasileiro. Enquanto os mecânicos trabalhavam duro para reparar o equipamento, uma verdadeira tempestade desabou sobre o circuito, estendendo-se até a hora da prova. Era o ingrediente que o brasileiro precisava para selar sua primeira vitória na F1.
3 - Suzuka 1989
Senna precisava da vitória nas duas últimas corridas de 1989 para superar Prost e se sagrar bicampeão. E, no GP do Japão, ele e o professor duelaram durante a prova inteira. Quando o brasileiro tentou a ultrapassagem, na chicane “triangle”, o francês jogou o carro e os dois bateram. Senna ainda voltou, mesmo que cortando caminho, parou nos boxes, trocou o bico, tudo isso na segunda posição.

Ele alcançou Alessandro Nannini, o ultrapassou no mesmo ponto e venceu a prova, mas foi desclassificado, por manobra de Jean-Marie Balestre, presidente da FIA. Com isso, o francês ganhou o tricampeonato mundial.
4 - Suzuka 1990
Mas os rivais se reencontrariam no ano seguinte, em 21 de outubro de 1990, naquele que é conhecido até hoje como um dos episódios mais polêmicos da história da Fórmula 1. Desta vez, no entanto o brasileiro tinha vantagem em relação ao francês. Em um dos momentos mais controversos de sua carreira, Senna forçou um acidente envolvendo a Ferrari de Prost logo na primeira curva e acabou com as chances de o francês conquistar o título. O brasileiro “deu o troco” em uma manobra de circunstâncias semelhantes feita pelo adversário na igualmente polêmica decisão da temporada anterior, também ocorrida em Suzuka, quando ainda eram companheiros na McLaren. Como o professor não terminou a corrida, Ayrton conquistou seu segundo titulo Mundial.
5 - Interlagos 1991
Sem nunca ter vencido em casa, Senna largou da pole r manteve a ponta. Com uma sequência de voltas rápidas, abriu vantagem segura para a dupla da Williams. Para apimentar ainda mais a prova, a chuva começou a cair sobre o circuito, tornando a pilotagem ainda mais complicada para os que estavam na pista. Foi quando Senna, que já havia perdido a terceira e a quinta marchas, ficou também sem a quarta. Com o câmbio travado na sexta marcha, ele percorreu as últimas sete voltas fazendo um esforço imenso para manter o carro na pista e não perder tempo em relação a Patrese, que vinha descontando freneticamente a diferença para o líder .Só que, naquele dia, Ayrton foi mais Senna do que nunca. Levou o carro até o fim da prova, cruzando a linha de chegada menos de três segundos à frente da Williams de Patrese. Interlagos foi ao delírio, com o público invadindo a pista e cantando o nome do piloto sem parar. Esgotado, o brasileiro deixou o motor Honda apagar na volta de desaceleração, e foi atendido ainda na pista. No pódio, subiu no degrau mais alto segurando uma bandeira brasileira, e superou a dor para levantar o troféu. O primeiro e inesquecível troféu de vencedor do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1.
6 - Donington 1993
A primeira volta do GP da Europa de 1993, em Donington Park, é considerada “a maior primeira volta da história” por muitos especialistas.Com uma McLaren bem inferior às Williams e com um motor menos potente que o da Benetton de Michael Schumacher, Senna fez apenas o quarto tempo no treino classificatório, a 1s7 de Prost. Na largada, foi espremido pelo alemão sobre uma zebra e caiu para quinto, atrás da Sauber de Karl Wendlinger, que se aproveitara da situação. Senna começou, então, seu show. Livrou-se de Schumi com facilidade e desceu o trecho seguinte lado a lado com Wendliger, que tinha a preferência da curva à frente. Mesmo sobre a pista molhada, o brasileiro acelerou por fora, despachou a Sauber e foi à caça de Damon Hill. Não demorou muito – menos de 40 segundos desde a luz verde – para superar o britânico antes de ir à caça de Prost. Acuado, o francês tentou espremer o brasileiro na penúltima curva do circuito, mas já era tarde. Com autoridade, a McLaren vermelha e branca assumiu a primeira posição.


fonte:http://app.globoesporte.globo.com/motor/formula-1/o-momento-senna-mais-marcante/
Postar um comentário

TALVEZ DESCONHEÇA SOBRE OS BURACOS NEGROS 1 – Eles não foram descobertos por Einstein Apesar de muita gente associar a descoberta dos ...