sábado, 25 de janeiro de 2014

Tratamento para varizes com espuma:

 quando deve ser feito?


O uso dos esclerosantes em forma de espuma tem se popularizado nos último anos como tratamento para as varizes e vasinhos. Como qualquer tratamento, a espuma tem seus riscos e benefícios. Nesse artigo, vou explicar um pouco mais sobre o método e em que situações ele pode ser indicado.

A espuma de polidocanol é uma alternativa ao tratamento das varizes


Mas, afinal, o que é essa espuma?


O tratamento para varizes com espuma é um tipo de escleroterapia. A escleroterapia é um tratamento em que injetamos uma substância no interior da veia para induzir o seu fechamento, inutilizando-a.
Em 2001, um médico italiano chamado Lorenzo Tessari descreveu uma técnica em que os líquidos esclerosantes eram misturados ao ar através de duas seringas conectadas por uma torneirinha, formando uma espuma. O objetivo do Dr. Tessari era produzir um esclerosante que fosse mais eficaz, tratando as varizes de forma simples, barata e sem cirurgia. O estudo do Dr Tessari pode ser lido em detalhes aqui.
A espuma pode ser feita com dois tipos de esclerosantes: o tetradecil sulfato de sódio (Sotradecol®) e o polidocanol. O mais utilizado no Brasil é o polidocanol.
A aplicação de espuma na veia safena e varizes maiores deve ser realizada com ajuda do ultrassom

Em que casos o tratamento com espuma deve ser realizado?


O tratamento com espuma de polidocanol está indicado principalmente para as varizes e veias reticulares. Ela pode ser aplicada inclusive na veia safena, que é a principal veia superficial da perna.  A veia fica inutilizada, funcionando como se a tivéssemos retirado em um procedimento cirúrgico. A aplicação na veia safena, nas veias perfurantes e nas varizes maiores deve ser realizado com a ajuda de um aparelho de ultrassom, para identificar exatamente onde está a veia a ser tratada e injetar a espuma bem dentro dela.
Já para as veias menores, como as veias reticulares e as telangiectasias (vasinhos), a aplicação pode ser feita diretamente a olho nu, ou com ajuda de um aparelho de fleboscopia, que utiliza luz LED para deixar as veias mais evidentes.

Benefícios e riscos da espuma para o tratamento das varizes

Você deve estar pensando: Nossa, que maravilha! Isso é o fim da cirurgia para varizes! Para que operar se você pode apenas injetar uma espuma no interior da veia e está tudo resolvido!
Porém, como todo tratamento, a espuma tem seus problemas.
A grande vantagem desse procedimento é justamente evitar uma cirurgia. Ele pode ser realizado no próprio consultório do médico Cirurgião Vascular sob anestesia local, e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita.
Porém, a efetividade do tratamento para varizes com espuma não é tão boa quanto à cirurgia, seja a cirurgia tradicional ou os métodos mais recentes como laser e radiofrequência. (Se quiser saber mais sobre as alternativas de tratamento para varizes leia: "Como tratar varizes nas pernas?" , "Cirurgia para varizes: saiba como é feita passo-a-passo" e "Radiofrequência: uma alternativa à cirurgia convencional de varizes")

Um estudo realizado com 500 pacientes na Dinamarca, publicado em 2011 no British Journal of Surgery (leia aqui) mostrou que, após 1 ano, o refluxo da veia safena voltou em 16,3% dos pacientes tratados com espuma. Esse resultado foi significantemente pior do que o da cirurgia de termoablação de safena com laser e com radiofrequência, em que a taxa de insucesso foi de 5,8 e 4,8% respectivamente.
Em outras palavras, existe uma chance de mais ou menos 16% do tratamento não dar certo.
Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, flebites, manchas escuras na pele e feridas. As complicações mais graves, relacionadas a trombose são muito raras, menores do que 1%. Já a hiperpigmentação (manchas escuras) é bem mais comum, causando um incomodo estético ao paciente.
Sendo assim, a recomendação é que o tratamento para varizes com espuma seja realizado quando o paciente não pode operar, não quer operar ou se a cirurgia para varizes não está disponível.

É possível tratar os vasinhos com espuma?


A espuma também pode ser utilizada para tratamentos estéticos, como na escleroterapia das veias reticulares e telangiectasias, os famosos "vasinhos".
Nesses casos, a concentração do medicamento esclerosante é menor, o que diminui a chance de surgimento de manchas escuras, necrose e feridas na pele. A concentração geralmente utilizadas nos casos estéticos é a 0,5%. Um estudo publicado em 2010 demostrou que esta concentração e segura e efetiva (leia aqui).
A efetividade desse método é semelhante às outras técnicas de escleroterapia. Para saber mais sobre as alternativas de tratamento para os vasinhos, clique em "Vasinhos nas pernas: como acabar com eles!".

Conclusão: o tratamento com espuma para varizes é uma boa opção, mas precisa ser bem indicada. Converse com seu médico Cirurgião Vascular sobre essa opção de tratamento.

Fonte:http://www.pernaspraquetequero.com/2014/01/tratamento-para-varizes-com-espuma.html#.UuQkthBTuUk
Postar um comentário

VIAJE NA HISTÓRIA COM ESTAS 15 CURIOSIDADES ALEATÓRIAS SOBRE O ANTIGO EGITO 1 – O legado arquitetônico deixado pelos antigos egípcios é u...