domingo, 11 de agosto de 2013


Conheça as múmias mais intrigantes da História (fotos e video).

Conheça as múmias mais intrigantes da História
- A mumificação, seja acidental ou intencional, preserva os corpos dos seres humanos e animais com frio extremo, humidade muito baixa, falta de ar ou exposição a produtos químicos. 

As múmias são encontradas em todo o mundo, tanto como resultado da preservação natural através de condições ambientais incomuns ou como o resultado de tradições funerárias culturais. Aqui estão alguns dos exemplos mais fascinantes.
-
Múmias acidentais preservada em gelo

Embora nós tendamos a pensar em múmias como sendo cuidadosamente preservadas de acordo com o status social hierárquico, como foi o caso com os antigos egípcios, algumas múmias foram criados naturalmente. 

Algumas das múmias mais bem preservadas do mundo foram descobertas no alto do cume da cordilheira dos Andes do Peru e do Chile; essas crianças foram ritualmente sacrificadas há cerca de 500 anos. Entre os mais famosos está a "A Donzela de Gelo", também conhecida como "Juanita".

A donzela do gelo, ou juanita, encontrada nos Andes.


Otzi ou Iceman é outro exemplo, muito mais velho - uma múmia natural de um homem que viveu em cerca de 3.300 AC, encontrada em 1991 nos Alpes. 

Otzi, ou Iceman, encontrado nos Alpes.


A Donzela de Gelo Siberiana é ainda mais antiga, sendo a múmia de uma mulher do século 5 AC, que foi encontrado em 1993 no planalto Ukok da Rússia, perto da fronteira com a China.

Donzela do gelo siberiana, encontrada no planalto de Ukok, na Rússia.


Chinchorro: As mais antigas múmias feitas pelo homem

Os antigos egípcios não foram os primeiros a deliberadamente mumificar os seus mortos. A cultura sul-americana de nome Chinchorro, do sul do Peru, praticava mumificação até dois mil anos antes dos egípcios. Ao invés de fazê-lo com uma base hierárquica, preservando apenas aqueles nas classes sociais mais altas, os Chinchorro mumificavam todos - incluindo os idosos, crianças, bebés e até abortos.

Múmias Chinchorro, no sul do Peru.


Múmias da Cripta de Cracóvia

Por causa de um microclima peculiar nas criptas, os corpos que foram sepultados no Mosteiro Franciscano e Igreja vizinha de São Casimiro em Cracóvia, na Polónia foram naturalmente mumificados. Eles incluem cerca de 300 frades e 730 leigos. Os primeiros foram colocados para descansar no chão nu, sem caixões - as pernas cobertas de areia. Muitas dessas múmias têm histórias interessantes, como a da senhora à direita, acima. Aparentemente, ela foi envenenada pelo seu pai seu pai no dia do seu casamento devido a se casar com um homem que ele não aprovava, e enterrada no seu vestido de casamento.

Múmias da Cripta de Cracóvia, que foram preservadas naturalmente devido ao microclima do local.


As múmias de Guanajuato

As múmias de Guanajuato foram naturalmente mumificadas após serem enterradas durante uma epidemia de cólera em torno de Guanajuato, no México, em 1833. Entre 1865 e 1958, as múmias foram desenterradas, devido a uma lei que obriga os parentes a pagar um imposto para manter os corpos no cemitério, os corpos mumificados (que representam cerca de 2% do total de mortos enterrados) foram armazenados num edifício, e em 1900, começaram a atrair turistas. Eles estão agora mantidas no Museo De Las Momias, ou Museu das múmias.

Múmias de Guanajuato, encontradas no México.



Corpos do norte da Europa

As turfeiras de várias partes do norte da Europa têm preservado alguns restos humanos tão perfeitamente, que ainda podemos ver as suas expressões faciais. Estes corpos conservam a sua pele e órgãos internos, mas a água altamente ácida, a baixa temperatura e a falta de oxigénio fazem com que os ossos se dissolvam. O Homem Tollund está entre os exemplos mais impressionantes, a sua cabeça e rosto estavam tão bem preservados que, quando ele foi encontrado na Dinamarca, em 1950, foi inicialmente considerado uma vítima de assassinato recente.

O Homem de Tollund, encontrado na Dinamarca.


Taka Makan: múmias da bacia de Tarim

Descoberto na atual China, as misteriosas múmias Tarim datam de 1800 AC a 200 DC e são de ascendência caucasiana. A descoberta de restos antigos de povos indo-europeus até agora para o leste desafiou o senso comum sobre a falta de intercâmbio cultural entre as populações europeias e chinesas durante esse tempo. As múmias foram também muito bem preservadas devido a serem enterradas num clima seco do deserto. Eles são pensadas serem Tocharians, pastores que viajaram para o leste para o comércio ao longo do que se tornaria mais tarde a rota da seda.

 

Monges budistas auto-mumificados

Até essas múmias serem descobertas em 2010, a história de monges budistas lentamente cometendo suicídio eram pensadas serem uma lenda. Mas os corpos dos 24 monges da Prefeitura de Yamagata no início de 1800 provou que é verdade. Os monges passaram um ano sem comer nada, além de nozes e sementes para eliminar a gordura do corpo, e, em seguida, apenas cascas de raízes e beberam chá venenoso durante 1.000 dias. O resultado foi a desidratação - e a transformação do corpo em algo venenoso, sendo, portanto, não comestíveis para vermes - que levou à auto-mumificação após a morte. Durante os últimos dias, os monges trancaram-se em túmulos de pedra na posição de lótus com nada além de um tubo de ar, tocando um sino a cada dia para indicar que ainda estavam vivos. Quando a campainha parou de tocar, o tubo de ar foi removido. Confira uma foto incrível de um monge budista mumificado usando óculos escuros no The Telegraph.



As múmias do antigo Egito

É claro que essas múmias são as mais famosas de todas. Os antigos egípcios descobriram mumificações depois de perceberem que enterrar os seus mortos em covas de areia no deserto resultou em cadáveres dessecados e preservados. O seu método de mumificação era muito complexo, e evoluiu ao longo dos séculos. Ainda é um mistério, mas o que sabemos sobre o processo - inclusive envolvendo o falecido com um pano de linho - continua a colorir a nossa percepção de múmias até hoje. Os antigos egípcios mumificavam apenas as classes mais altas, que cobriam os corpos com máscaras mortuárias e colocavam-nos em caixões com objetos de valor que se pensava ajudar o morto na próxima vida. Tecnologia de ponta agora está sendo usada para desvendar os mistérios remanescentes.

As múmias egípcias, são as mais conhecidas.

Múmias modernas

Hoje em dia, se você quiser ser mumificado, há poucos lugares onde o pode fazer. Summum é a única empresa de mumificação moderna no mundo, com clientes em todo o mundo, incluindo celebridades e donos de animais. O processo de mumificação de um animal de estimação leva cerca de 90 dias, utilizando uma rotação sobre o método tradicional egípcio. A Summum hidrata os corpos numa solução especial, em vez de secá-los, para os manter iguais ao dia em que morreram - podendo durar até milhares de anos, de acordo com a empresa.

Atualmente, o processo de mumificação é feito somente por uma empresa em todo o mundo, a Summum.
- See more at: http://www.ciencia-online.net/2013/08/conheca-as-mumias-mais-intrigantes.html#sthash.lmNgRXbI.dpuf
Postar um comentário

SERÁ QUE OS OVOS DE CASCA ESCURA SÃO MAIS SAUDÁVEIS DO QUE OS BRANCOS? A ideia de "não julgar um livro pela sua capa" pode func...