quarta-feira, 19 de junho de 2013

Conheça 9 instrumentos musicais super estranhos

1 – Piano de cama
O gosto pela música e a vontade de tocar um instrumento independe da condição física de cada um. Para ajudar àqueles doentes acamados, esse piano foi criado na Inglaterra em 1935.
Piano de cama
2 – Harpa judia
Um dos instrumentos musicais mais antigos do mundo – e talvez um dos menores também, essa mini-harpa deve ser posicionada entre os lábios, e sua vibração sentida pelos dedos.
3 – Crwth
Com seu nome praticamente impronunciável, esse instrumento bizarro foi criado há 10 séculos e poucos ainda existem no mundo.
4 – Harmônica de vidro
É um instrumento feito de cristal, o já famoso Benjamin Franklin inventou esta harmônica incrível.
5 – Theremín
Um instrumento eletrônico criado por russos. No vídeo abaixo, você pode ver que o som é produzido sem que haja contato com o aparelho. Que bruxaria? Não, pois quem faz a conexão entre os movimentos do músico e o som emitido são duas anteninhas presas à geringonça.
6 – Violão Pikasso
Esse violão, que levou dois anos para ficar pronto e, aparentemente, foi construído para polvos, tem diversos braços, 42 cordas e dois bocais.
7 – Órgão BoardwalkEsse instrumento piano cheio de teclas, levou três anos para ser construído e contém sete teclados, 1.235 tabuladores, 81 percussões melódicas e não melódicas, 18 trêmulos, 120 pedais de seleção e seis pedais.
8 – Fotoplayer americano
Esta geringonça é considerada a avó dos aparelhos sintetizadores de som, já que a mistura de piano e órgão de fole com tambores e percussão consegue reproduzir sons diferentes, como os de pássaros. Atualmente, só existem 50 unidades desse instrumento no mundo, sendo que só 12 delas ainda funcionam.
9 – Contrabaixo Balalaika
Esse instrumento enorme foi inventado por russos há quatro séculos, e é usado até os dias de hoje. O contrabaixo é capaz de atingir inúmeros tons e pode ser dedilhado com dedos ou palhetas.
Postar um comentário

SERÁ QUE OS OVOS DE CASCA ESCURA SÃO MAIS SAUDÁVEIS DO QUE OS BRANCOS? A ideia de "não julgar um livro pela sua capa" pode func...