quarta-feira, 31 de outubro de 2012


5 razões para migrar para o Windows 8 e 5 para não migrar


São Paulo — O Windows 8, anunciado nesta semana, traz a transformação mais radical no Windows em 26 anos. Com ele, desaparece o menu Iniciar e a área de trabalho tradicional vai para o segundo plano. Em seu lugar, o novo sistema apresenta uma tela cheia de blocos que representam aplicativos e documentos, além de exibir informações.

Configurações, busca e a opção de desligar o computador passam a residir numa nova barra de ferramentas chamada, em inglês, de barra de “charms” (encantos). O sistema foi claramente projetado para uso em telas sensíveis ao toque, mas vai ser usado também em PCs convencionais, com mouse e teclado. Veja cinco razões para adotar o Windows 8 e cinco para continuar usando o Windows 7.

  • Cinco razões para adotar o Windows 8

1 – Velocidade
Os testes do Windows 8 que têm sido divulgados apontam que ele é mais veloz que o Windows 7 em algumas tarefas. Num teste do site Cnet, por exemplo, a partida de um computador demorou, em média, 26 segundos com o Windows 8, contra 46 segundos com o Windows 7. São 20 segundos a menos, um respeitável ganho de 43%. A Cnet também aponta que os aplicativos do pacote Office, da Microsoft, ficam 10% mais rápidos no Windows 8.

2 – Aplicativos
Por enquanto, há cerca de 9 mil apps para o Windows 8 na loja online Windows Store, aponta um levantamento do blog WinAppUpdate. 88% deles são gratuitos. Nem todos estão disponíveis no Brasil, mas há pelo menos 4 mil apps liberados para os brasileiros.

O mais significativo, porém, é que a loja vem se expandindo ao impressionante ritmo de 500 novos títulos por dia. Se esse ritmo se mantiver, a Windows Store vai dobrar de tamanho em menos de um mês. Quem ficar com o Windows 7 não vai poder rodar esses aplicativos, que são específicos para o Windows 8. 

O serviço de armazenamento na nuvem SkyDrive funciona integrado ao Windows 8. Assim, os aplicativos e o sistema podem armazenar arquivos nele. Além de ficar disponíveis no Windows, esses arquivos podem ser vistos no Mac OS X, no iOS e no Android por meio de apps ou do browser. Mas o mais interessante é que o usuário pode usar a nuvem para sincronizar suas configurações pessoais entre diferentes PCs e tablets. Nesse caso, basta fazer o login e seu ambiente de trabalho será carregado.

4 – Monitores
Se você usa seu computador com mais de um monitor, vai gostar do Windows 8. Um painel de configuração na barra de charms torna muito fácil escolher como as telas serão usadas. Pode-se, por exemplo, colocar a nova interface gráfica numa delas e a área de trabalho tradicional na outra.

Isso é interessante, por exemplo, para qume possui um notebook e costuma conectá-lo a um monitor externo em casa ou no escritório. Segundo a Microsoft, 15 % dos usuários de PCs de mesa e 4% das que possuem um notebook empregam mais de um monitor.

5 – Preço
Quem tem uma versão anterior do Windows pode comprar o Windows 8 Pro por 69 reais, via download, para atualizar o PC. Se o computador foi comprado depois de 2 de junho, a atualização custa 29 reais. Isso vale até 31 de janeiro. São os preços mais baixos já cobrados pela Microsoft ao lançar uma nova versão do Windows. Logo, migrar para o Windows 8 não é terrivelmente caro.

  • Cinco razões para continuar com o Windows 7

1 – Velocidade
Embora o Windows 8 seja mais veloz que o Windows 7 em algumas tarefas, ele não traz benefícios em outras. Um teste do site Cnet mostra que não há diferença significativa em tarefas que dependem basicamente do processador, como codificação de vídeo. Além disso, no teste da Cnet, o desligamento do PC demorou, em média, 12 segundos com o Windows 8, contra 8 segundos com o Windows 7. O tempo foi 4 segundos maior (uma diferença de 51%) com o novo sistema.

2 – Aplicativos
Há cerca de 9 mil apps na Windows Store e, como mostra o blog WinAppUpdate, esse número cresce velozmente. Mas muitos deles são joguinhos e apps simples que não têm muita relevância. Outros são versões de apps já existentes para as edições anteriores do sistema. Além disso, perto dos mais de 700 mil títulos disponíveis para o iOS e dos mais de 500 mil criados para o Android, o atraso do Windows 8 é evidente. A conclusão é que, ao menos por enquanto, os novos aplicativos não são um bom motivo para migrar para o Windows 8.

3 – Menu Iniciar
A Microsoft deve achar que o menu Iniciar é antiquado, já que resolveu eliminá-lo após 17 anos no Windows. Mas o fato é que ele é prático. Com o menu Iniciar, não é preciso ficar procurando os aplicativos, documentos e configurações. Basta abrir o menu e está tudo lá. Mas não no Windows 8, que não tem menu Iniciar. Com ele, o usuário vai ter de reaprender a usar o Windows.

4 – Tela
Embora o Windows 8 possa ser usado com teclado e mouse, é evidente que ele foi projetado para trabalhar melhor numa tela sensível ao toque. Um exemplo: é fácil tocar num dos cantos para acionar a barra de charms ou voltar à tela inicial. Já clicar num canto com o mouse exige deslocar o cursor pela tela, uma operação mais demorada e menos natural. Se seu computador não tem tela sensível ao toque, a nova interface tende a parecer esquisita e menos prática que a antiga.

Outro detalhes é que o Windows 8 requer resolução mínima de 1.366 x 768 pixels para que dois apps possam ser vistos lado a lado. Muito PCs mais antigos não atendem a esse requisito.

5 – Windows 7
O Windows 7 é estável e compatível com os aplicativos e equipamentos existentes. A Microsoft vai oferecer suporte regular a ele até 2015. E ainda há um período com suporte estendido até 2020. Para o Windows Vista, o suporte estendido vai até 2017 e, para o XP, até 2014. Logo, não é preciso ter pressa de migrar para o Windows 8.

Por outro lado, a Microsoft deve soltar atualizações que vão melhorar o Windows 8 nos próximos meses. Assim, quem deixar para migrar mais tarde deve encontrar as arestas já aparadas.


Via: InfoExame
 

Postar um comentário

TALVEZ DESCONHEÇA SOBRE OS BURACOS NEGROS 1 – Eles não foram descobertos por Einstein Apesar de muita gente associar a descoberta dos ...