terça-feira, 4 de setembro de 2012


Um vírus pode queimar o seu computador!
Um Vírus pode explodir o seu computador
Apesar de parecer exagero dizer que um vírus pode queimar o seu computador, acredite, isto é perfeitamente possível. Esta matéria vem para desmitificar a ideia que um software não é capaz de danificar um hardware, como dito por várias pessoas e até especialistas na área.
Por muito tempo acreditou-se que um Software não fosse capaz de danificar um hardware, até que Chen Ing-Hau, estudante de Engenharia da Computação desenvolveu o vírus Win32/CIH (mais conhecido por Chernobyl), em 1998. Este software malicioso atingia o Windows e era capaz de apagar a memória ROM do computador, inutilizando a sua placa-mãe. Hoje, as versões atuais do Windows ainda são vulneráveis ao Chernobyl, mas por questões de compatibilidade não permitem mais a regravação da ROM.
A partir desta época, foi provado ao mundo que um software é capaz de danificar um hardware.

Como um vírus consegue danificar um hardware?
Notebook destruído
Não precisa ser especialista na área da informática para entender isso: O software controla e gerencia o bom funcionamento do hardware, logo um vírus (que também é um software) poderia controlá-lo de uma forma diferente do esperado.
Um vírus escrito em Assembly (uma linguagem de programação de baixo nível) é capaz de danificar componentes internos de um computador, isso porque o Assembly trabalha diretamente com o hardware (Memória RAM, Processador, HD e etc). Existem vários relatos onde estudantes danificaram controladoras, discos e outros componentes internos ao testarem softwares escritos em Assembly. Até em algumas faculdades em suas disciplinas de Assembly, os professores lançam o desafio para que os alunos tentem não corromper permanentemente um disquete de um computador, passando para eles um código feito para isso.
Porém, não é tão simples como parece. Um vírus é um software e como tal precisa ser executado com privilégio dentro do sistema operacional, para que o seu objetivo seja alcançado. Mas antes de obter este privilégio, ele terá o Antivírus para interceptá-lo antes de tentar fazer algo. Mesmo assim, é possível que um vírus se esconda no seu computador sem que o Antivírus consiga detectá-lo, como é o caso dos RootKits.
Conseguindo passar pela barreira do Antivírus e fazendo com que o usuário o execute, o software malicioso poderá danificar a sua máquina das seguintes formas:
  1. Aumentando a frequência do processador (overclock), o mesmo aquecerá demais e poderá queimar subitamente;
  2. Diminuindo ou zerando a velocidade de rotação do cooler do processador, fazendo com que o mesmo aqueça até a máquina desligar;
  3. Alterando configurações internas da placa-mãe que controlam a voltagem dos componentes, levando-os à um curto-circuito ou à queima;
  4. Fazendo uma leitura ininterrupta do HD, de forma que a cabeça de leitura busque dados de uma ponta a outra. Isto causará uma desgaste no disco, mas levará tempo para causar um dano.
  5. Forçando o braço de leitura do disco para fora, danificando assim o mecanismo de movimento do braço em HDs IDEs.
  6. Desregulando o driver que controla a bateria do notebook, fazendo com que ela envie menos energia do que o necessário, danificando o aparelho.
  7. Controlando a GPU e com isso manipular a taxa de atualização do monitor para taxas elevadas não suportadas, danificando-o permanentemente.
Estes foram apenas alguns exemplos de muitas outras possibilidades. Veja que o 1º exemplo não é tão difícil de ser realizado, visto que, existem vários softwares onde é possível alterar a voltagem e frequência dos componentes internos do computador pelo próprio Sistema Operacional… Porquê um software malicioso não poderia fazer isso?

Postar um comentário

SERÁ QUE OS OVOS DE CASCA ESCURA SÃO MAIS SAUDÁVEIS DO QUE OS BRANCOS? A ideia de "não julgar um livro pela sua capa" pode func...