sábado, 8 de setembro de 2012


Incrível: a história de Alan Fonteles, o brasileiro que superou Oscar Pistorious

PRO TWITTER
PRO FACEBOOK



Mesmo quem não acompanha o noticiário esportivo conhece ou já ouviu falar do sul-africano Oscar Pistorious. Velocista, ele utiliza duas próteses feitas de carbono no lugar das pernas, e conquistou o direito, após muita luta, de competir além da modalidade paralímpica (sim, é paralímpica agora) e disputar os Jogos de Londres 2012 entre outros grandes nomes do atletismo. Findas as Olimpíadas da capital inglesa, ele entrou na disputa dos Jogos Paralímpicos como estrela máxima da competição.

Mas havia Alan Fonteles, um paraense de Marabá, de 20 anos de idade. Ele teve as pernas amputadas por conta de uma infecção, quando ainda era bebê. Mesmo assim, quando criança tornou-se apaixonado pelo atletismo tanto que, aos 8 anos de idade, começou a correr mesmo contando apenas com próteses de madeira, inadequadas para a prática do esporte. Por meio de um triatleta, Rivaldo Martins, que teve que amputar a perna esquerda devido a um acidente, Fonteles conseguiu, em 2007, próteses especiais para competições. De lá pra cá, várias conquistas, incluindo uma medalha de prata em Pequim 2008, no revezamento 4 X 100.

E chegou o domingo, 2 de setembro. Nas semifinais para os 200 metros rasos, na classe T44, ele já havia batido o recorde mundial com 21s88, mas foi superado por Pistorious na bateria seguinte, com o sul-africano marcando o tempo de 21s30. Hoje, após uma largada ruim como ontem, ele conseguiu uma recuperação inacreditável e venceu o rival, marcando 21s45. Para se ter uma ideia do que significa a marca, os brasileiros que concorreram nas Olimpíadas de Londres nos 200 metros rasos, Bruno Lins e Aldemir da Silva Júnior, conseguiram em suas semifinais 20s55 e 20s63. O vídeo da prova está aqui.

Pistorious, derrotado pela primeira vez nos 200 metros, criticou o brasileiro, que ficou mais alto por conta das próteses novas, que estão, aliás, totalmente dentro da regra. Justo ele, que combateu tanto quem argumentou que as próteses lhe davam vantagem sobre atletas considerados “normais”, tentando barrar sua participação em competições que não fossem paralímpicas. E foi seu exemplo que serviu de inspiração para o próprio Fonteles, segundo o brasileiro conta aqui. Não fique chateado, Pistorious. Como você pode ver, esse ouro também é seu, como muitos outros que virão também terão sua marca. Mas hoje a festa também é de Alan Fonteles.
Postar um comentário

VIDA SUBMARINA SELVAGEM: ROBÔS REGISTRAM “COME-COME”  NO FUNDO DO MAR Apesar de a maior parte dos  oceanos do planeta  continuar inexp...