sábado, 21 de julho de 2012


(Atualizado e + infográficos) Indústria Animalesca



Bom gente, desta vez vos trago alguns vídeos de algumas funções que os animais têm na indústria e vou procurar proporcionar uma discussão sobre isso além de declarar que os vídeos contém violências extremas contra os animais. Não recomendo a ninguém a assistir mas, se assistirem, fiquem por sua própria conta e risco. E não me xinguem depois, só estou pregando no deserto de idéias.
Vejamos o primeiro vídeo como uma degustação – do que realmente poderíamos comer se estivéssemos na Ásia. Na verdade, creio que não precisamos ir tão longe pois no Brasil existem pessoas que fazem isso.

Costumeiramente ouvimos que na Ásia é consumida muita carne de cachorro. Entretanto, muitos não sabem que na África também consome-se tal carne. Nos lugares onde a carne canina é consumida, isto geralmente provém de uma tradição cultural, escassez ou racionamento de outras fontes e também dos benefícios medicionais que o cão pode nos proporcionar. Além de um churrasquinho maroto, é claro.

Devemos nos atentar ao fato que tanto os bois quanto os cães e gatos bichinhos fofinhos em geral são animais e são comestíveis. Assim como nós somos animais, logo, também somos comestíveis. Seria uma tremenda demagogia e hipocrisia dizer que somente a carne de porco pode ser comida e não a humana. Não, pessoas, eu não sou canibal tampouco tenho interesse. Mas todos nós somos um grande pacotão de Trakinas. O que não permite o canibalismo é que o homem é um animal social, entretanto, além disso, é o nosso cérebro reptiliano que toma conta dessas funções mais básicas: reprodução e sobrevivência. Ele é quem controla a nossa instintividade, e é isso que nos faz o animal paradigma no planeta.
Desde os tempos mais imemoriais, para sobrevivermos, precisamos caçar. Contudo, devido à nossa evolução (engenharia genética – Mandar um salve aí pra Lacerta da Xurupita), tornamos este processo mais eficiente e eficaz… ou sádicos?

Já nesse vídeo, a nossa amiga búlgara nos ensina a abater um bode humanamente. Apesar dos pesares, eu tenho a minha dúvida se foi realmente humano posto que… posto que vocês assistam.

Um comentário que seria muito pertinente a este vídeo: #Fail
Este vídeo nos mostra pessoas felizes, cantarolando e saltitando com o seu gigantesco abate. Esse é um dos exemplos do porquê parar de comer animais não adiantará. Nós, humanos, também somos parte do controle da natureza ao passo que ajudamos a manter o equilíbrio e, infelizmente, o desequilíbrio. Mas neste caso, é para subsistência. Para outros, e isso acontece muito nos EUA, existe a famosa temporada de caça. Ela geralmente acontece quando a população de um certo tipo de animal cresce e, para regulá-las, é dado o início à temporada de caça.


Bom, agora sim as imagens realmente chocantes. Essa é a indústria das fábricas de pele que movimenta bilhões de dólares anuais. Sabe como estas peles são feitas? Pela mãe natureza e retirada dos animais como poderemos ver embaixo. Atenção!! Este vídeo é realmente forte, não aconselho a ser assistido.

O que eu pretendo chegar com esse post é que, devido às inúmeras utilidades dos animais, mesmo se todos no mundo nos tornássemos vegetarianos ao extremo, o abate não pararia. Até mesmo para fins medicinais. Muitos remédios deixariam de existir. Eu não sei vocês mas eu sou carnívoro. :)
Não quero exaltar nem inferiorizar nenhum tipo idéia, apenas quero expô-las para que pensemos com mais clareza. E, por último, porei esses infográficos:
Agradecimentos ao Eduardo


Agradecimentos ao Eduardo por este infográfico. Sem ele minha matéria não seria completa. S2
Este é um agradecimento ao Luiz

Atualização
Bom, eu li e reli este link aqui: http://consciencia.blog.br/2012/02/resposta-ao-panfleto-produtos-a-base-de-gado.html
E gostaria de fazer as minhas considerações.
Eu não entendo essa ótica dos vegetarianos/veganos em crerem que eles estão só numa luta contra o mundo. Não! Eu não tenho nada contra vocês!
Muito pelo contrário, nós todos somos iguais com pensamentos e estruturas diferentes. Pela moderação dos comentários eu percebi que parece que vocês estão numa luta contra o mundo pois falar de um assunto como o abate de animais parece ser uma ofensa a cada um de vocês. Não! Isso não é! Coloquei somente aquele infográfico porque era o único disponível em mãos na hora. E sim, eu procurei na internet mais sobre só que não achei. Então, não julgue sem saber das circunstâncias. Eu simplesmente não encontrei. Dizer agora que é falta de pesquisa, faça o meu favor, né? Não cobro nada além de respeito para com todos.
Enfim, vamos ao que interessa.
Como vocês podem ler ao final da introdução no link disponibilizado acima está escrito: “Porém, ele carece tanto de consistência lógica como de honestidade intelectual e respeito à verdade.”
Ok! Checando…
São cinco tipos de falácias transmitidas na figura. São estas
a) Ad hominem: Consiste em ofender explicitamente o interlocutor ou tentar desqualificar seu argumento por alguma suposta característica da pessoa que em nada tem a ver com a consistência e validade da colocação dela. É a falácia mais visível ali, na ofensa final dirigida aos veg(etari)anos.
b) Falácia do espantalho: Faz uma interpretação errada da ideia opositora, atribuindo-lhe equivocada ou maliciosamente argumentos facilmente criticáveis ou refutáveis que na verdade ela não defende.Essa falácia se aplica ao fato da figura tentar imputar ao veg(etari)anismo um falso ponto fraco, que seria a suposta falta de opções para a miríade de produtos industrializados nele citada.
c) Distorção de fato: Como o nome diz, distorce um fato na tentativa de desqualificar determinada ideia, crença ou comportamento. A figura faz a distorção ao transformar o fato de que há ou havia variantes ou marcas dos 75 produtos listados contendo um ou mais ingredientes de origem bovina na falsa colocação de que todas as marcas ou variantes dos produtos referidos contêm algum ingrediente derivado de bovinos.
d) Generalização apressada: Tenta aplicar ao todo uma regra que só se aplica a uma parte. A imagem passa a falsa (e assustadora) impressão de que todas as marcas ou variantes de cada produto possuem ingredientes bovinos, quando na verdade apenas parte delas o contêm – ou mesmo, em alguns casos, não se fabrica mais com ingredientes de origem animal.
e) Non sequitur: Lança argumentos desconexos cuja conclusão não segue a premissa. A linha lógica seguida pela figura é a seguinte:
Premissa: Estes produtos contêm ou continham variantes ou marcas dotados de ingrediente(s) oriundo(s) de certa parte do corpo bovino.
Conclusão: Logo, todas as variantes ou marcas destes produtos contêm ingredientes oriundos de tais partes do corpo bovino.
Agora vem a martelada. Apertem o cintos rs
OBS: Não querendo defender mas mostrar também a incoerência por ambas as partes. Tanto pelos veganos quanto pelos onívoros.
Alternativas dos produtos listados na figura: onde está a ilusão?
Creio que esta seja a resposta ao infográfico.
a) Cérebro
- Creme contra envelhecimento:
Há opções de cremes (como os da Multivegetal), e mesmo as empresas de cosméticos que ainda utilizam ingredientes de origem animal estão cada vez menos utilizando ingredientes provindos de abate, conforme suas respostas a consumidores em SACs.
* Logo, ainda utilizam. Contudo, apenas uma parte deles. Esta se enquadra nas falácias B e D.
- Remédios:
A imagem não diz qual(is) ingrediente(s) é(são) extraído(s) do cérebro bovino. Mas é evidente que nem todo remédio usa derivados do cérebro bovino.
* Falácias B, C e D. Ou realmente todos acham que o Tylenol, Azitromicina, Roxflan, Energil C vem do cérebro do boi?
b) Sangue
- Massas:
É difícil encontrar uma massa à base de trigo que contenha um derivado do sangue bovino entre seus ingredientes. Geralmente os ingredientes listados do macarrão básico são: farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico; corantes naturais urucum, betacaroteno e cúrcuma; e estearoil-2-lactil-lactato de cálcio (que, apesar da presença do radical lact-, que lembra leite, não é de origem animal). Alguns poucos incluem ovos na composição, e há as marcas que utilizam outros ingredientes, mas é bastante difícil hoje em dia encontrar aqueles que tenham derivados de sangue.
* B, C, D e E. Principalmente a E dado que, os ovos, embora não nascidos, sejam animais que nasceriam. Logo podemos afirmar que também é uma falácia posto que lança argumentos desconexos cuja conclusão não segue a premissa vegana pois possui ovos. Ou os ovos foram esquecidos?!?!?!? Espero que não.
É difícil encontrar é diferente de “não encontra-se mais”.

- Misturas para bolo:
Há opções sem ingredientes de origem animal, como as misturas para bolo da Fleischmann, DaBarra e Regina.
Postar um comentário

VIDA SUBMARINA SELVAGEM: ROBÔS REGISTRAM “COME-COME”  NO FUNDO DO MAR Apesar de a maior parte dos  oceanos do planeta  continuar inexp...