quinta-feira, 5 de abril de 2012

E amigos, acharam que tinhamos desistido?
Ainda não…
Passamos por um período meio atribulado a minha estrela da morte tava precisando de umas manutenções e nosso querido Don Corleone estava enfrentando um pequeno problema com uma certa encomenda sua que estava com alguns entraves na alfandega.
Mas enfim, hoje vamos falar de alternativas para um futuro problemático que vamos enfrentar neste nosso planetinha.


Os recursos necessários para a sobrevivência da vida humana já estão se tornando escassos e a tendência é que cada vez mais esta condição se amplifique.
Mas e a vida humana, como fica nessa? Bom meu amigos, como já visto o ser humano não tem tanto interesse em gastar dinheiro e esforços na restauração de um ambiente ecologicamente equilibrado, já que dá mais lucro explorar do que recuperar.
Com este raciocínio em mente temos que entender que o ser humano nada mais é que um parasita de grande escala e poder nocivo. E o que acontece quando um parasita esgota os recursos de seu hospedeiro?
Bom, essa é fácil, ele procura um novo hospedeiro para utilizar seus recursos, e assim sucessivamente.
Aí que é a questão meus amigos, num futuro em que os recursos terrestres fiquem tão escassos que não sustentem mais a vida humana, esta vida deve rumar para um novo planeta-hospedeiro e recomeçar seu processo de exploração de recursos.
Mas existem estes planetas capazes de sustentar vida humana?
A questão é que ainda não foram encontradas evidências de planetas exatamente iguais ou muito parecidos em todos os aspectos com a Terra, mas existem sim planetas que reúnem várias características semelhantes as que habitamos hoje e eles são denominados Super-terras.
Mas o que é uma super-terra?
Bom, a definição mais abrangente é a de que uma super-terra é um planeta extrassolar com massa superior a de nosso planeta mas menor que a dos gigantes gasosos do sistema solar. Mas só isso não é suficiente para sustentar vida humana, por isso podemos estreitar um pouco mais o conceito, para planetas que além de reunirem a característica primária também não tenham uma atmosfera significativa e que tenha em sua composição elementos químicos semelhantes aos encontrados na Terra.

Estas características criariam um planeta facilmente moldável as necessidades dos terráqueos.
Devemos entender que não se espera encontrar um planeta com atmosfera e composição semelhantes a Terra, pois isso seria muito improvável, já que cada planeta recebe poeira espacial de sua galáxia e foi formado em um instante diferente da expansão ocasionada do Big Bang, tendo assim sido submetido a tipos diferentes de pressão e temperatura no momento de formação.
O que se deve procurar é um planeta facilmente adaptável a vida humana e um planeta que a vida humana facilmente se adapte.
Mas em tudo isso há vários grande problemas, a super-terra mais próxima encontra-se aproximadamente a 40 anos-luz da Terra e embora próxima, sua atmosfera é densa e sua composição química não aparenta ser tão semelhante a Terra, isto implica que deve-se olhar mais longe e se ter mais certezas antes de qualquer tipo de missão adaptadora/colonizadora deste novo mundo.
Também devemos entender que mesmo que seja encontrado uma planeta que reúna condições adequadas não haverá nenhum tipo de migração em larga escala para ele, o que haverá é uma missão que reunirá apenas a elite das mentes e dos trabalhadores especializados que sejam uteis para transformação deste novo planeta.
E mesmo em caso de “perda total” terrestre, apenas pequenos grupos partirão em direção a “terra prometida”, toda a migração e colonização será condicionada a uma elite poderosa e intelectual, não havendo espaço para caridade com os que ficarem neste planeta.
O que vocês acham de tudo isso? O homem pode realmente colonizar outros mundos ou está fadado a se acabar juntamente com os recursos necessários para sua vida?
Dê sua opinião e suas sugestões que todas serão respondidas e atendidas na medida do possível.
Postar um comentário

MELHORE SUA ATENÇÃO: VEJA 10 ALIMENTOS QUE AJUDAM SEU CÉREBRO A RENDER MAIS Nem sempre nós conseguimos ter hábitos que nos ajudam a mant...