sábado, 7 de abril de 2012

Moscas das Trevas: Japoneses criaram moscas por 57 anos no escuro em uma pesquisa inédita

  • PDF
Investigadores japoneses analisaram o DNA de uma variedade de moscas que ficaram quase seis décadas aprisionadas em total escuridão.
No dia 11 de novembro de 1954, o Dr. Syuichi Mori, da Universidade de Tóquio, aprisionou um grupo de moscas de fruta, da espécie Drosophila melanogaster, em várias garrafas, mantendo-as em completa escuridão.
  Após a morte do cientista, seus colegas continuaram a cuidar das moscas, ficando famosas com um apelido de “Moscas das Trevas”. Após quase 60 anos, outra equipe de pesquisadores da Universidade de Tóquio seqüenciaram o genoma das moscas em busca das mudanças ocorridas na ausência de luz.
O estudo foi publicado na PLoS One, mostrando que nenhuma mudança radical ocorreu. As moscas continuaram com a visão perfeita, não tornaram-se albinas e seu ciclo circadiano (o que faz o organismo entender o que é dia e o que é noite) continuou o mesmo de seus ancestrais.
Uma “Mosca das Trevas” é exatamente igual ao grupo controle, exceto nos filamentos da cabeça que se tornaram mais numerosos. O fato de terem ficado aprisionadas por 57 anos e formado mais de 1.400 gerações, pode oferecer possíveis pistas sobre a adaptação.
Para testar isso os cientistas começaram a estudar a sua capacidade de reprodução, um indicador muito importante na adaptação para a sobrevivência. Os cientistas levaram as moscas para diferentes condições de luz, por 24 horas e em seguida para escuridão total durante 30 minutos por 3 dias.
  Os pesquisadores contaram o número de descendentes e eles descobriram que as moscas do grupo controle possuíam vantagens reprodutivas comparadas com as “Moscas das Trevas”.
  Após o sequenciamento do DNA, os pesquisadores encontraram 220.000 pontos de mutações e 4.700 inserções ou exclusões. “Isto sugere que uma alteração genômica ocorreu em larga escala nas Moscas das Trevas”, comentou a equipe de cientistas.
No entanto, a maioria das mutações não possui significado real, mas há algumas mudanças que sugerem modificações no metabolismo e produção de substâncias que combateriam toxinas produzidas pelo organismo, o que teria ocorrido pela ausência de luz.
Em resumo, o estudo não mostrou claramente o processo de adaptação, mas tem recolhido dezenas de dicas sobre como alterar o código genético de uma espécie de modo global, modificando suas condições de vida.
Postar um comentário

VIDA SUBMARINA SELVAGEM: ROBÔS REGISTRAM “COME-COME”  NO FUNDO DO MAR Apesar de a maior parte dos  oceanos do planeta  continuar inexp...