SÃO PAULO - Quase um terço das moedas emitidas desde o lançamento do Plano Real está fora de circulação, o que equivale a um total de R$ 508 milhões. A informação foi divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira (23), durante entrevista coletiva para divulgar os resultados da pesquisa que avaliou a qualidade e a durabilidade das cédulas em circulação no Brasil e a taxa de entesouramento das moedas.
De acordo com o BC, desde o lançamento do Plano Real, foram produzidas 18,735 bilhões de moedas no país (equivalente a um valor total de R$ 4,314 bilhões). Destas, 13,602 bilhões estão em circulação (R$ 13,806 bilhões), enquanto 5,134 bilhões (com valor total de R$ 508 milhões) estão fora de circulação.
Cofrinho
Segundo o diretor de Administração do BC, Altamir Lopes, é importante que as pessoas coloquem as moedas para circular, para que não haja falta de troco no comércio e também para que as moedas não percam o seu valor de compra.
“O ‘cofrinho’ é importantíssimo para educação financeira. É uma das primeiras lições que os pais passam aos seus filhos. Mas é importante que os pais passem para as crianças a importância de levar de tempos em tempos essas moedas para o banco, para preservar o poder de compra”, disse Lopes.
Ainda segundo ele, aplicar o dinheiro é fundamental para que as moedas não acabem desvalorizadas, por conta da inflação. “Por isso, é importante recolher essas moedas e aplicar em alguma aplicação financeira, como a caderneta de poupança ou fundo de investimento”, afirmou.