1. O menino dos dentes de ouro

“Hoax”, em inglês, significado “engano”, mas também é usado para pegadinhas propositais, que espalham notícias falsas como sendo verdadeiras. Um dos primeiros casos disso aconteceu em 1593, na região da Silésia, onde atualmente fica a Polônia. Reza a lenda que um menino de 7 anos de idade se tornou popular por nele ter nascido um dente de ouro. Muita gente acreditou, mas, é claro, não passava de um dente encapado com ouro – prática que se tornou comum.
Dente de ouro enganou muita gente

2. As fadas de Cottingley

Duas primas que viviam em Cottingley (Inglaterra) enganaram o mundo em 1917, com uma séries de fotos em que apareciam rodeadas por fadas! Até mesmo Sir Arthur Conan Doyle, criador do Sherlock Holmes, caiu nessa história. Elas só foram desmentir o caso em 1983, já bem velhinhas, dizendo que tinham feito as fotos usando moldes de papelão.
Você acreditaria nas fadas desta foto mesmo se não conhecesse a história?

3. A farsa Fortsas

Em 1840, na Bélgica, correu um boato entre bibliotecários, livreiros e colecionadores de arte de que uma coleção raríssima seria colocada à venda em um leilão. O rumor dizia que um homem chamado Jean Nepumocene August Pichauld, morto no ano anterior, tinha cópias originais e raras de vários primeiros volumes cobiçadíssimos. Quando entusiastas de toda a Europa chegaram à cidade de Binche, descobriram que isso não passava de um trote.
E quem não iria querer livros raros na sua coleção?

4. O gigante nu

O Gigante de Cernes Abbas é uma figura conhecida na aldeia de mesmo nome, localizada na Inglaterra. Trata-se da imagem de um homem nu, com um tacape na mão e uma ereção poderosa na encosta de uma montanha. Primeiramente, as pessoas acreditavam que seria alguma referência muitíssimo antiga, apesar de ter surgido na região “apenas” em 1694 – e, sim, como uma forma de brincadeira que sobreviveu aos séculos.
Assustador, mas feito por "sacanagem"

5. O gigante de Cardiff

Uma das maiores enganações em solo norte-americano foi organizada por uma tabacaria de Nova York, em 1869. Um homem petrificado, com 3 metros de altura, havia sido supostamente descoberto durante a escavação de um poço no vilarejo de Cardiff. Seu criador pensou na brincadeira depois de se envolver em uma discussão sobre a existência de gigantes no livro Gênesis da Bíblia.
Trollando os fiéis

6. O Santo Prepúcio

Relíquias religiosas se tornaram alvo fácil de manipulação e invenção durante a Idade Média. Nessa época, muitas igrejas da Europa alegavam possuir o prepúcio de Jesus Cristo, que havia sido retirado dele durante a circuncisão em seu nascimento – prática comum dos judeus.
Amém

7. Os habitantes da Lua

Em 1835, um tabloide chamado The Sun, dos EUA, trouxe uma série com seis artigos mostrando a descoberta de vida e de civilização na Lua! Esses achados foram atribuídos a Sir John Herschel, um dos maiores astrônomos ingleses da época e, por isso, tiveram bastante credibilidade.
O lado oculto da Lua?

8. A árvore comedora de gente

Um artigo do New York World, de 1874, narra a assustadora história de uma mulher entregue como alimento para uma árvore em Madagascar. O relato foi feito por um suposto explorador alemão e permaneceu “real” até 1955, quando um cientista de verdade disse que tudo não passava de um grande mito que existiu durante décadas.
Árvore comia seres humanos – só que não

9. A Guerra dos Mundos

Provavelmente uma das maiores brincadeiras de todos os tempos foi a narração do ator Orson Welles de uma adaptação de “A Guerra dos Mundos”, de H.G. Wells, no Halloween de 1938. O programa radiofônico supostamente criou um pânico generalizado – algo por vezes contestado, já que a audiência não foi tão elevada quanto a história insiste em relatar.
Orson Welles

10. A mulher que deu à luz coelhos

Em 1726, uma mulher inglesa chamada Mary Toft ficou famosa por supostamente dar à luz alguns coelhos! Exatamente isso: ela jurava que os bichinhos haviam sido gerados por ela. Mais tarde, porém, médicos renomados examinaram o seu útero até ela confessar que tinha inventado a história para ficar famosa.
Cada século tem a Peladona de Congonhas que merece