Entre 2011 e 2012, a fotojornalista Andrea Star Reese investigou o “pasung” na Indonésia. Esse é o termo para a prisão de pessoas com algum tipo de doença mental, que deveria ter sido banida do país em 1977. Até hoje, porém, muitos cidadãos vivem em condições subumanas nesses sanatórios, e as fotos de Reese alertam para isso, que ainda é um tabu no país. 

1. Agus canta em sua cela, onde ele vive permanentemente por causa do medo que os responsáveis têm de que ele fuja

2. Evi começou a ter alucinações aos 15 anos, e seus pais pagaram para ela ficar acorrentada a uma cama de madeira – algo chamado de “abordagem islâmica” para o tratamento

3. A Fundação Galuh é um desses “pasungs”, onde homens e mulheres são separados apenas por uma tela de arame

4. Muhhammad é uma espécie de curandeiro, que utiliza ervas e cânticos para levar os pacientes a estados hipnóticos

5. Anne passou 10 anos trancada em um quarto sem janelas, e seu pai afirma que ela não precisa receber muita alimentação

6. Muitos pacientes passam anos em celas solitárias

7. Os músculos das pernas de Seapudin atrofiaram pela falta de uso

8. Faltam alimentação, roupas, exercícios físicos e interação social nesses “depósitos humanos”

9. O espaço de cada paciente é restrito, e o quarto também serve como lavabo

10. O uso de correntes e cadeados é comum, mesmo no Hospital Psiquiátrico Wediodining Lawang, considerado o melhor da Indonésia e um dos poucos a ter uma ala para os idosos