1 – A truta peluda

Todo mundo sabe que ter o corpo coberto de pelos é uma característica dos mamíferos, e não dos peixes, certo? Pois quando os primeiros colonizadores se estabeleceram nas regiões mais frias da América do Norte, começaram a circular rumores de que naquelas bandas existiam animais bastante estranhos, entre eles uma truta coberta de pelos. Dê uma olhada:
Peixe protegido por casado de pele
Segundo uma das lendas envolvendo esse bizarro animal, a truta peluda teria desenvolvido esse “casaco” de pelos para se proteger do frio extremo da região, enquanto outra — que começou a circular em meados do século 19 — dava conta de que o peixe teria surgido depois de quatro jarras de um tônico capilar terem sido despejadas no Rio Arkansas, no Colorado.
Curiosamente, inclusive existe o boato de que, quando as temperaturas começam a subir, com a primavera, as trutas perdem a camada de pelos e ficam fresquinhas com suas escamas, voltando a crescer os pelos novamente quando o inverno começa a chegar. Aliás, seria por essa razão que seria tão difícil pescar esses peixes.

2 – O Bonnacon

As lendas sobre o bonnacon datam da Idade Média e, as descrições a respeito dessa criatura se referem a ela como sendo um animal com crina de cavalo, mas com corpo semelhante a um touro e dotado de grandes chifres. Entretanto, eles eram torcidos para trás e em direção um ao outro, o que significa que, se esse bicho atacasse um humano, seus cornos não provocariam muitos danos.
Arma secreta nada agradável
No entanto, não pense que o bonnacon era subestimado por causa dos chifres inúteis para luta. Ele era temido devido à sua “arma secreta”: dizem que, quando perseguido, esse animal podia disparar estrume fervendo pelo traseiro a mais de 500 metros de distância, queimando tudo o que encontrava pelo caminho.

3 – O Aspidochelone

As histórias sobre o aspidochelone — um monstro marinho que geralmente era descrito como sendo uma tartaruga gigante ou uma imensa baleia — surgiram na Grécia Antiga, mas foram contadas durante séculos. Segundo os relatos, essa criatura era tão, tão grande que, muitas vezes, ela era confundida com ilhas. Veja uma ilustração a seguir:
Confusão nos mares
Dizem que o aspidochelone permanecia longos períodos flutuando na superfície e, por essa razão, suas costas eram cobertas de areia e até vegetação. Aliás, rezam as lendas que essa cobertura enganava facilmente os marinheiros que se deparavam com essas criaturas durante suas viagens.
As lendas sobre esses monstros circularam durante séculos
Então, quando eles se aproximavam com suas embarcações, desembarcavam em “terra firme” e faziam fogueiras para cozinhar, o calor perturbava o imenso animal — e ele mergulhava para aliviar a queimadura, arrastando barco, marinheiro e o que quer que estivesse em suas costas até o fundo do mar. Alguns relatos também diziam que, quando se sentia faminto, o aspidochelone abria sua boca enorme e exalava um odor adocicado para atrair suas vítimas.

4 – As Serpentes Marinhas

O aspidochelone não era a única criatura que aterrorizava os mares no passado! As lendas sobre as serpentes marinhas também eram bastante populares entre os marinheiros e, segundo diziam, elas atacavam as embarcações em alto-mar para devorar seus tripulantes. Aliás, existem inúmeros relatos de avistamentos desses monstros ao longo da História, e um que ficou bem famoso foi o da Serpente Marinha de Gloucester, em Massachusetts.
Parente do Monstro do Lago Ness?
Um dos primeiros encontros com o monstro teria sido descrito por um homem chamado John Josselyn, em 1638 e, a partir daí, parece que a serpente se tornou uma visitante frequente na região. Existem relatos de marinheiros que teriam visto o animal em várias ocasiões entre os séculos 17 e 18 e, em agosto de 1817, de acordo com várias testemunhas, a imensa serpente — com cerca de 20 metros de comprimento — teria se aproximado do porto.
Os relatos de avistamentos continuaram firmes e fortes até o final do século 19 — com um total de 190 registros ao longo de cem anos. No entanto, os supostos encontros começaram a se tornar mais raros no século 20, com um total de 56 testemunhos, a maioria antes dos anos 50, e hoje em dia raramente alguém fala da misteriosa serpente.

5 – O Borametz

Também conhecido como "Cordeiro Vegetal da Tartária", o borametz foi um estranho animal lendário que se tornou popular durante a Idade Média. E ele era esquisito mesmo! Segundo as histórias, se tratava de um cordeiro que "brotava" de uma planta muito especial que crescia em uma vasta região da Europa e Ásia Central chamada Tartária — que se estendia do Mar Cáspio e Montes Urais até o oceano Pacífico.
Carneiro vegetariano
De acordo com os textos medievais, existiam duas variedades dessa planta: uma que gerava um pequeno cordeirinho pelado que começava a crescer no interior de uma espécie de vagem, e outra que tinha um cordeiro já crescido, de pele e osso, conectado ao caule através do umbigo. Esse caule, aliás, seria superflexível e permitia que o animal se alimentasse da vegetação que crescia ao redor, e uma vez ele comesse tudo ou o caule se rompesse, o cordeiro morria.